tamanho de fonte:
Pesquisa básica



Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM/PR)

 

O jogo do nome nas subjetividades travestis

Desde o nascimento o nome representa uma das primeiras características a ser adquiridas pelo sujeito que deverá acompanhá-lo como marca distintiva na sociedade. Ao mesmo tempo, o nome, por meio da gramática substantiva do masculino ou feminino, impõe uma relação binária rígida entre os sexos marcando, além da denominação, a determinação de normas relativas à sexualidade e ao gênero. Por meio da participação em um projeto de extensão voltado para o público travesti da cidade de Uberlândia, surge o interesse em problematizar o direito personalíssimo do nome no encontro com as subjetividades travestis. A problemática impressa pelas travestis vem questionar o nome como distintivo da pessoalidade, dada a ambiguidade característica do grupo na fronteira entre masculino-feminino. Apresenta-se, dessa forma, a tensão presente entre os limites linguísticos e jurídicos do direito personalíssimo do nome frente às "invenções e subversões" do gênero travesti. (AU)

Informações de Categorização

Assunto(s): Gênero; Subjetividade; Travesti;
Autor(es):

  • Prochno, Caio Cesar Souza Camargo()
  • Rocha, Rita Martins Godoy()
Editora: UFSC;
Local: Santa Catarina (SC)
Tipo de Publicação: Artigo de periódico;

Informações da Publicação

Link/URL: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v23n2/a06v23n2.pdf
Código/ISBN/ISSN: 0102-7182
Ano da Publicação: 2011
Nome do Periódico: Psicologia e Sociedade
Número do Periódico: 2
Volume: 23
Colação: p.254-261
Notas:

Disponível no site do SCIELO - http://www.scielo.br
Acesso em: 21 nov. 2011


Informações Adicionais

IMS/UERJ - R. São Francisco Xavier, 524, 6º Andar, BL. E - 20550-013 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil - Tel.: (21) 2568-0599